Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CINEBLOG

CINEBLOG

Remake de Waterworld à vista.

Se se interessam por estas coisas do cinema - e se estão a visitar este modesto estabelecimento virtual quero acreditar que sim - certamente já terão ouvido falar de Waterworld, o projeto catástrofe de Kevin Reynolds que transformou Kevin Costner num mortífero box office poison.

Decorria o ano da graça de 1995 quando, do alto dos seus 175 milhões de dólares de orçamento (aos quais podemos acrescentar 60 milhões para o marketing), Waterworld chegava às salas de cinema com o selo de "filme mais caro de sempre". No entanto, ninguém pareceu ter ficado particularmente impressionado com o feito porque, para além da receita de bilheteira em território americano não ter chegado a metade desse valor (ficou-se pelos 88 milhões de dólares), os críticos fizeram dele um belíssimo saco de pancada aquático. 

Como tudo o que é arrasadoramente mau no seu tempo, o filme tem vindo a ganhar uma dedicada legião de seguidores. O canal SyFy reparou nisso (cada vez que o filme é emitido, o canal consegue uma audiência de cerca de 400 mil espetadores) e parece disposto a investir num remake televisivo em forma de série.

E agora perguntam vocês: e tu, sábio JB, o que achas do Waterworld? Só duas coisas: James Newton Howard e trimarãs.

Será este o poster de Charlie Sheen: The Movie ?

Era bom, não era? Mas não temos essa sorte.

Se pertencem ao grupo de indivíduos que anseia fervorosamente por uma longa-metragem baseada na vida de um dos maiores homens que Hollywood já viu (se usarmos como críterio de avaliação a capacidade de misturar, num mesmo organismo vivo, substâncias mais ou menos ilícitas), lamento mas vão ter de aguardar mais uns anitos.

Este é o primeiro de uma série de posters de A Glimpse Inside the Mind of Charles Swan III, a primeira longa de Roman Coppola, o filho de Francis Ford (ou seja, irmão da Sofia e primo do Nicolas Cage e do Robert Schwartzman). 

Se ficaram com curiosidade, os restantes posters podem ser encontrados aqui.

Os melhores posters alternativos de 2012. Ou como o passado está na moda.

O retro-minimalismo está na moda. É um facto e não adianta fazer nada a respeito. Quer seja na roupa, no webdesign, ou no design de comunicação, a regra é abusar de linhas direitas, tipografia forte e cores desmaiadas. 

Seguindo essa tendência, de há uns anos para cá, tornaram-se muito populares os chamados posters alternativos, ou seja, reinvenções do material promocional de filmes populares, utilizando os padrões da estética retro-minimalista. 

O ShortList.com está a eleger o melhor poster alternativo de 2012. Passem por lá e digam de vossa justiça.

Choosing to Die. Morrer ou deixar morrer?

No polémico documentário Choosing to Die, que acaba de conquistar o Emmy Internacional para o melhor documentário, o escritor britânico Terry Pratchett (diagnosticado com Alzheimer em 2008) dá a sua visão sobre a eutanásia através de um conjunto de testemunhos pessoais que apelam ao direito de "saltar antes de ser empurrado".

O documentário pode ser visto na íntegra aqui.

Seis guerras em três semanas.

O SyFy Portugal está a preparar-se para um especial Star Wars que vai rechear, qual peru de Natal, os três últimos fins de semana de dezembro com as duas trilogias favoritas do tio George. É portanto a altura ideal para rever a saga tal como foi idealizada pelo Lucas (com os seus bons e maus momentos) antes de a Disney a transformar definitivamente numa vulgar máquina anual de vender bonecada. 

Mais fofo só mesmo se o pessoal do SyFy culminasse a maratona com o glorioso especial de Natal.

Estão online 43 minutos do primeiro filme em que participou Hitchcock

A 22 de setembro de 2011 foi exibido no Samuel Goldwyn Theatre a primeira parte restaurada de The White Shadow, aquele que é considerado o primeiro filme em que participou Alfred Hitchcock, na altura como assistente de realização, argumentista, diretor artístico e editor.

Um ano depois, as imagens chegaram finalmente ao maravilhoso mundo da Internet e podem ser vistas gratuitamente por dois meses no site da U.S. National Film Preservation Foundation.

Os 43 minutos correspondem a três bobinas encontradas no arquivo do antigo projecionista neozelandês Jack Murtagh, que se tornou colecionador quando, em vez destruir as fitas dos filmes que saiam de cartaz, começou a guardá-las.

A bem da verdade, o verdadeiro primeiro filme de Hitchcock é o inacabado Number 13, realizado na primeira metade dos anos 20. Mas esse parece estar perdido para sempre.

Pág. 1/2

Blogue a 24fps que não necessita de óculos 3D. Online desde 2003.

Pesquisar

 

Passatempos

Webcomic

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.