Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CINEBLOG

CINEBLOG

Crítica: "Suicide Squad" (2016), de David Ayer

suicidereview.jpg

"Num sistema hierárquico, todo funcionário tende a ser promovido até ao seu nível de incompetência". Esta frase, conhecida como Princípio de Peter ou Princípio da Incompetência, e que foi enunciada nos idos anos 60 do século passado por um indivíduo chamado Laurence Peter, pode ser utilizada para explicar o grande problema de "Suicide Squad", um filme cujo maior pecado foi ver-se promovido a um patamar de exigência para o qual não tinha competências.

Não é que o mais recente filme do Universo Cinematográfico da DC (DCCU) seja horrível (porque não o é). "Suicide Squad" é sobretudo insatisfatório. Isso deve-se em grande parte às expetativas completamente irrealistas que lhe foram sendo atribuídas ao longo dos últimos meses, muitas delas quando já se encontrava na sala de edição. Para além de se ver obrigado a ser o salvador do DCCU  (depois da má receção de "Batman v Superman"), tinha ainda de ser a resposta da DC ao "Guardians of the Galaxy" ao mesmo tempo que piscava o olho ao "Deadpool". O resultado? Um produto finalizado em cima do joelho, sem unidade, com demasiados problemas de edição e um ritmo bipolar (há uma cena num bar, algures no meio do segundo terço, onde a falta de timing se torna particularmente evidente).

Graças à incompetência do sistema de produção, um filme que tinha tudo para ser uma experiência única, tornou-se num ensaio sobre a frustração: é frustrante porque vemos uma hierarquia a ser definida pela dimensão dos atores e não por personagens (sem desprimor para a Margot Robbie ou para o Jared Leto, mas trocava toda aquela trapalhada com o Joker por mais tempo de ecrã para o El Diablo.). É frustrante porque precisamos de mais tempo para desenvolver os protagonistas e vemos tempo extra a ser usado para introduzir personagens cujo único objetivo é satisfazer a necessidade de fan service. É frustante porque vemos um talentoso David Ayer de mãos atadas a defender irrepreensivelmente um produto problemático pelo qual nem é o maior responsável. E é sobretudo frustante porque apesar de tudo isto consegui divertir-me a ver o raio do filme.

Há tantas indícios de coisas boas a acontecer (a equipa tem química, a amostra de alguma backstory é apelativa, a caracterização da Amanda Waller é intrigante, algumas opções estéticas funcionam de forma irrepreensível) que não podemos deixar de pensar no que poderia ter sido se as coisas tivessem corrido de maneira diferente.

***

Blogue a 24fps que não necessita de óculos 3D. Online desde 2003.

Pesquisar

 

Na Garagem

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.