Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CINEBLOG

CINEBLOG

"Rocky Balboa"



"It ain't over 'til it's over"


Tenho que vos dizer uma coisa: poucas foram as vezes em que me senti tão nostálgico no cinema como desta vez. Por muito má fama que tenham ganho os filmes do "Rocky" (muito por culpa das suas sequelas), a verdade é que ele é um mito do cinema, múltiplas vezes referenciado, e que não merecia acabar com um filme rafeiro como foi "Rocky V". Seria um autêntico sacrilégio...

Ora é exactamente para reparar essa falha que se fez "Rocky Balboa", que no fundo não pretende ser uma sequela (daí se ter optado por tirar a numeração do título) mas sim a homenagem/desfecho que a saga há muito merecia.

E é um prazer ver que Sly não se esqueceu daquilo que fez o filme de 1976 tão especial. Tudo parece ter regressado 31 anos depois: o tom realista (que por vezes o faz perder um pouco no factor espectáculo - veja-se o final), a realização clássica, uma fotografia exemplar (um bem haja a J. Clark Mathis), um guião surpreendentemente competente, e representações bem acima da média.

Sim, por vezes o filme é um pouco lento (principalmente a primeira metade), em que basicamente se procura "descobrir" o que foi feito de Balboa (os que consideram "Rocky IV" o melhor da saga vão certamente ficar defraudados). Mas nem por isso é menos interessante. Os diálogos são francamente bons, e a câmara parece estar sempre no sítio certo. Nota-se que ao contrário do que se pensou quando começaram a sair os primeiros rumores sobre o regresso cinematográfico de "Rocky", este não podia estar mais longe de ser um filme por encomenda, e que Stallone se esforçou para que tudo saísse "à moda antiga" (no que, de modo geral, acaba por ser bem sucedido).

Ninguém consegue evitar ficar com pele de galinha quando se começa a ouvir o grande "Gonna Fly Now", e o regresso de Balboa ao ring tem o dom de impedir a situação de cair no ridículo, algo que todos dávamos como certo (esse regresso também mostrou o lado mais criativo de Stallone atrás das câmaras, com uns planos... curiosos, embora nem sempre os mais felizes). É certo que o combate (o grande climax) perdeu um pouco a espectacularidade de outros embates (Ivan Drago, por exemplo), mas nem por isso deixou de nos fazer "suar "emocionalmente.

Este é o final que todos esperávamos, e que nos fará desfrutar como se tivéssemos de volta a 1976.

O Rocky é isto... não é perfeito, mas... quem se importa?

(7,5/10) * * * *

Siga-nos:

Blogue a 24fps que não necessita de óculos 3D. Online desde 2003.

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.